Desde o começo do caso Neymar, uma gravação feita pela modelo Najila Trindade com seu celular no quarto onde se hospedou em Paris é citado como peça importante na comprovação da acusação de estupro feita contra o jogador. O conteúdo teria sido armazenado em um tablet que, até agora, 11 dias depois do registro do BO, não apareceu.

O vídeo não foi entregue à Polícia Civil e nem mesmo os advogados da modelo viram o material completo. A ausência das imagens arranha a credibilidade da modelo e a fez perder seu segundo advogado desde o dia 15 de maio, quando alega que o crime aconteceu. O criminalista Danilo Garcia de Andrade afirmou ontem .